Conheça a equipe do ItapaLírica

 

 

Cyrene Paparotti – Diretora do ItapaLírica
Soprano paulistana, iniciou a sua carreira como vencedora do concurso Jovens Concertistas Brasileiros em 1987 no Rio de Janeiro e em 1992, ganhou o prêmio Lalita Salazar na Pensilvânia nos EUA. Apresentou-se como recitalista nas principais salas do Brasil, em Nova York, na Itália e na França, com piano e orquestras. É Mestre em canto pela NYU (New York University), tem o de D.E (Diploma do Estado Francês) de professora de canto e pós-graduação em Literatura e Língua Francesa pela Universidade da Sorbonne.  Foi professora de canto na NYU, na UFBA, no FSBA (BA) e em vários conservatórios franceses. Leciona atualmente no Music Center Núcleo de Ensino Musical, em São Paulo/SP. Regularmente faz palestras e oficinas de música sacra, assim como técnica vocal em diversos estados do Brasil.  Em junho de 2011 publicou om muito sucesso o livro CANTONÁRIO – Guia Prático para o canto-  MUSIMED.  Empresária, organizou o SALVALÍRICO- O Festival Lírico de Salvador e o Festival de Música Sacra da SOEMUS (Sociedade Evangélica de Música Sacra) na Bahia. Há 10 (dez) anos é conferencista do PAINEL DA VOZ em Salvador.  Em 2015 dirigiu musicalmente o espetáculo multicultural 1823 A ÓPERA DA LIBERDADE, onde interpretou o papel da heroína Joana Angélica, reapresentando em janeiro de 2018.

Adalgisa Rosa, professora de expressão corporal
Natural do Rio de Janeiro, cantora e regente coral com Licenciatura em Artes Cênicas, é Bacharel em Serviço Social  e Pós-graduada em Arte na Educação e em Canto e Expressão. Participa ativamente do cenário artístico brasileiro, desenvolvendo também trabalho de ressocialização pela arte como coordenadora de projetos da Fundação Operartes, com sede em Vila Velha, ES. Interprete sinfônica de J. S. Bach, Haendel,  Mozart, e do Padre José Maria Xavier. Em ópera cantou e produziu a ópera-recreio O Reino de Duas Cabeças, de Jaceguay Lins, dirigiu e atuou em Il Combattimento di Tancredi e Clorinda, de Monteverdi e interpretou papeis principais em óperas de Puccini, Franz Lehár,  Pergolesi, Harry Crowl, Mario Ferraro e G. Bernstein, além de diversos concerto líricos. Em janeiro de 2012 participou do Espetáculo Histórico Musical na Ilha de Itaparica Bahia e atuou como assistente de direção cênica na montagem do musical Lendas de Paquetá, no projeto Bem-me-quer Paquetá, Rio de Janeiro. Tem mais de 16 anos de experiência de regência coral, e é coordenadora e regente do projeto LibertArte, em atividades de ressocialização através do Canto Coral, Teatro e Pintura com detentos do sistema prisional do estado do Espirito Santo. O Projeto recebeu do Governo do Estado do Espírito Santo o Prêmio Ressocialização pelo Trabalho anos consecutivos, 2012, 2013, 2014 e 2015.

 

Débora Limeira – pianista co-repetidora
Pianista baiana, graduou-se em Música pela Universidade Federal da Bahia tendo como professora de piano Alla Dadaian (Rússia). Atuou como professora estagiária na extensão da Escola de Música da UFBA sob orientação da professora Marineide Maciel. Atualmente leciona piano em conservatórios de Salvador e atua como pianista camerista e co-repetidora em diversas master classes e festivais de música erudita.
Dilton Cesar, regente coral
Natural de Jequié – BA, estudou Composição e Regência na Escola de Música da UFBA, com os maestros Erick Magalhães e Hamilton Lima. Em cursos internacionais estudou com os maestros John Poole, Diane Loomer, André Thomaz, entre outros. Reuniu seus coros para espetáculos de Daniela Mercury e de Inaicira Falcão. Com Cyrene Paparotti , Wanda Otero e orquestras regeu o Stabat Mater Dolorosa, de Pergolese. É regente dos grupos Coral do Mosteiro de São Bento da Bahia, Coral Canto de Encontro e Coral Feminino Cantariar
François Starita, Coordenador
Franco-brasileiro radicado em Itaparica desde 2006, ele desenvolve desde 2009 concertos líricos e espetáculos históricos valorizando a cultura erudita e popular, história local e brasileira.  Ele é o autor do libreto do espetáculo multicultural 1823 – A Ópera da Liberdade, narração musical da guerra de Independência da Bahia criado em Itaparica em 2015.
Jamary Oliveira, palestrante e jurado
Doutor em música pela Universidade do Texas, membro da Academia Brasileira de Música e de Ciências da Bahia. É referenciado no The New Grove Dictionary of Music and Musicians, no Dizionario Enciclopedico Universale Della Musica e dei Musicisti, no Rieman Musik Lexikon, no Diccionario de la Musica y dos Musicos. Dr. Jmary aparece em inúmeras outras fontes de referência da Música do Brasil e da América Latina. Foi jurado do Salvalírico III.
José Carlos Filho, professor de violão
Licenciado em música com habilitação em violão pela (UCSAL) e Pós Graduado em Educação Musical pelo (CENSUPEG). Atualmente cursa o 8º período do Bacharelado em violão erudito (UFBA) na classe do professor Doutor Mário Ullôa. Durante sua trajetória aprimorou seus conhecimentos em máster classes com: Turíbio Santos, Mateus Dela Fonte, Fernando De La Rua ,Justin Badgerow ,Paulo Martelli e Carla Fonseca.
 

Junio de Sousa Santana, professor de violino
violinista, nascido em Salvador/BA, bacharelando em violino pela UFBA. Foi professor do curso de extensão da UFBA de 2007 a 2009 e no Conservatório Sinfônico de Camaçari . Exerceu a função de Spalla e/ou Concertino na Orquestra Sinfônica Popular de Camaçari entre 2011 e 2013. Atualmente é violinista concursado da Orquestra Sinfônica da Bahia.
Juvino Filho, palestrante e jurado
Clarinetista, Professor Doutor da UFRB. Atuou em diversos concertos, eventos e cursos no Brasil e na Europa. Recebeu Prêmio Braskem e Rumos Música Itaú. É autor do CD “Cartas Musicaes” e do livro “A Clarineta Pelas Bandas da Bahia: O Legado de Manuel Tranquillino Bastos”. Recentemente fez pós-doutoramento na UA e UNL-PT sobre Clarineta Brasileira e Portuguesa.
Lício bruno, professor de técnica vocal
Prêmio Carlos Gomes 2004, um dos mais célebres artistas brasileiros, é Bacharel em Canto e Mestre em Performance, com aperfeiçoamento em Ópera e Repertório Sinfônico pela Franz Liszt Academy of Music, Budapeste. Professor da Escola de Música da UFRJ e do Bacharelado em Teatro da CAL, RJ, é coordenador dos cursos de Pós-graduação em Canto do Coletivo das Artes/Faculdade Nova Ateneu, Espírito Santo. Recebeu em 2015 as láureas “Ordem do Mérito Cultural Carlos Gomes” (SBACE-SP) e a Medalha Cinquentenário da Forças Brasileiras Internacionais de Paz da ONU (ABFIP-ONU). Com 10 primeiros prêmios em concursos (nacionais e internacionais) e mais de 80 personagens em óperas de diferentes autores e estilos, é até hoje, o único brasileiro intérprete do Wotan/Wanderer da tetralogia wagneriana. Atua no Brasil, Europa, América Latina, Oriente Médio e Indonésia. Em 2015, Licio Bruno lançou com a pianista Cláudia Marques, o CD “Ê vida, ê voz! – Canções de Edmundo Villani-Côrtes”, celebrando 85 anos de vida do compositor. Diretor artístico do II Festival SESI de Ópera, ES, neste ano foi solista convidado pela OFMG – Orquestra Filarmônica de Minas Gerais para a celebração de seus 10 anos, e participou da abertura da temporada do Teatro Municipal de São Paulo com a 8ª Sinfonia de Gustav Mahler. Acaba de retornar de importante turnê por Israel (Tel Aviv e Jerusalém) e Europa (Budapeste, Berlim e Copenhagen), interpretando o ciclo das Serestas de Heitor Villa-Lobos. Neste ano, o cantor celebra 30 anos de atividades nos palcos do Brasil e do exterior.
Lika Ferraro, animadora
atriz DRT 1425, coreógrafa, bailarina, produtora, técnica em dança pela Funceb- 1995. Formada em Interpretação  para cinema, pela UNEB-2013.  Sua trajetória comporta mais de  20 peças, 18 filmes,4 web séries. Participou das novelas: 2014 Chiquitas– SBT e 2018 Segundo Sol – Rede Globo 2018. Fundou em 2014 a CIA DE TEATRO MUSICAL PÓ COMPACTO , única companhia de teatro musical da Bahia..
Paulo Esper, palestrante e Presidente do Juri
Criador da Cia Ópera São Paulo que atua desde 1991 em todo o país. É criador e diretor geral e artístico da Cia e do Concurso Brasileiro de Canto Maria Callas com 16 edições consecutivas neste ano de 2018 e responsável também pelo Ciclo Grandes Vozes da Ópera Mundial. Foi diretor de cultura de sua cidade natal, jacareí por três anos e Diretor do Theatro São Pedro de 2012 a 2016.
Ivan Alexandre, fonoaudiologo
Formado pela Universidade do Estado da Bahia- UNEB e especialista em VOZ pelo Conselho Federal de Fonoaudiologia (CFFa).  É Ator e Coaching de Alta Performance Vocal para profissionais da voz. Foi responsável pela pré-seleção e análise acústica computadorizada da voz de cantores líricos do II Festival de Canto Lírico de Salvador –Salvalírico e do XXI Seminários Internacionais de Música- Semana da Voz. É idealizador do Programa de Condicionamento Vocal – PCV para Cantores, além de ser Diretor Geral do PAINEL DA VOZ, evento interdisciplinar que reúne diversos profissionais da voz falada, cantada e da comunicação humana.
Ricardo Migliorini, fotógrafo
Formou-se em Arquitetura e Urbanismo na FAU USP. Desde então, atuou na fotografia, principalmente na cobertura das áreas culturais e projetos arquitetônicos. Trabalhou por sete anos na Secretaria de Cultura do Estado de SP, onde sua câmara capturou o todo relacionado a espetáculos, concertos, shows e exposições. Foi o fotógrafo oficial do Festival Internacional de Campos do Jordão de 1998 a 2004 e documentou diversos outros festivais e eventos de música erudita.

 

Sílvia Gregoris, professora de flauta
Sílvia Gregoris é doutora em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Presbiteriana Mackenzie de São Paulo – SP e vem atuando como arte educadora por meio das linguagens Musical e Visual, tanto no Ensino Fundamental como nos cursos de graduação em Pedagogia e de Publicidade. Desde janeiro de 2018 trabalha em Ribeirão Preto (SP) em um Centro de Ensino do SENAI. É coralista em coros semiprofissionais, figurando em turnês no Brasil, América Latina e Europa. Obteve seu bacharelado na Faculdade Santa Marcelina (São Paulo, capital) em 1984. A Flauta Doce (e sua família) é seu instrumento e ferramenta para a Iniciação Musical de crianças, jovens e adultos.